27 de mar de 2014

Resumo 1° trimestre EBD 2014

1º Trimestre de 2014

Título: Uma jornada de fé — A formação do povo de Israel e sua herança espiritual
                                  Comentarista: Antonio Gilberto
             Lição 1: O Livro de Êxodo e o cativeiro de Israel no Egito
                            O LIVRO DE ÊXODO

Título: Êxodo.
Autor: Moisés.
Data e local: Aproximadamente 1450-1410 a.C. Foi escrito no deserto, durante a peregrinação de Israel, em algum lugar da península do Sinai.
Propósito: Registrar os acontecimentos da libertação de Israel do Egito e seu desenvolvimento como nação.
Lugares-chaves: Egito, Gósen, rio Nilo, Midiã, mar Vermelho, península do Sinai e monte Sinai.
Características: Relata mais milagres do que qualquer livro do Antigo Testamento.
Versículo-chave: Êxodo 3.7,10.
Pessoas-chave: Moisés, Faraó, Miriã, Jetro, Arão.

Nesta primeira lição, destacamos a aflição pela qual o povo hebreu passou no Egito por 430 anos.
1. Os israelitas no Egito. Eles “frutificaram, aumentaram muito, e multiplicaram-se, e foram fortalecidos grandemente, e a terra se encheu deles”.
2. Um bebê é salvo da morte.Preocupado com o crescimento dos hebreus, Faraó deu uma ordem às parteiras no Egito para que todos os meninos israelitas recém-nascidos fossem mortos. Porém, as parteiras eram tementes a Deus e não mataram as crianças
3. A mãe de Moisés (Êx 6.20). Joquebede aproveitou cada minuto que passou ao lado do seu filho para ensiná-lo acerca de Deus, da sua Palavra, do seu povo, do pecado, das promessas divinas e da fé no Criador.
4. A Filha de Faraó (Êx 2.5,6).Deus, em sua bondade, usou a filha de Faraó para que encontrasse alguém, a fim de criar o bebê Moisés. Tal pessoa foi justamente Joquebede, a mãe de Moisés (Êx 2.9). Há uma recompensa para os pais piedosos e obedientes.
5. Moisés é levado ao palácio (Êx 2.10). Apesar de ter sido adotado pela filha de Faraó, Moisés foi criado por sua mãe.
6. O preparo de Moisés (Êx 3.9,10). Moisés passou sua juventude no palácio real. Como filho de uma princesa egípcia, ele frequentou as mais renomadas universidades egípcias, inclusive a de Om (At 7.22; Gn 41.45).
7. A fuga de Moisés (Êx 2.11-22). Certo dia, ao ver um egípcio maltratando um israelita, Moisés tomou as dores do seu povo e resolveu defender um de seus irmãos. Moisés acabou matando um homem e enterrando o corpo na areia. Ele queria libertar seu povo pela força humana, mas a libertação viria pelo poder divino e sobrenatural, para que ninguém dissesse: “Nós fizemos, nós conseguimos”. O ZELO PRECIPITADO DE MOISÉS .
                   LIÇÃO 2 UM LIBERTADOR PARA ISRAEL
Um líder cristão não é feito da noite para o dia. É preciso que sua liderança seja amadurecida pelo tempo.
I. MOISÉS — SUA CHAMADA E SEU PREPARO (Êx 3.1-17)
1. Deus chama o seu escolhido. Quando o Senhor escolheu e chamou Moisés para libertar seu povo, ele estava pastoreando ovelhas.É Deus que chama e separa aqueles que vão dirigir seu rebanho
2. O preparo de Moisés (Êx 3.10-15). Moisés foi chamado e recebeu treinamento da parte de Deus para que cumprisse sua missão com êxito.
3. O objetivo da chamada divina (Êx 3.10). O propósito divino era a saída do povo de Israel do Egito liderada por Moisés.
4. O receio de Moisés e suas desculpas. agora precisava crer não no seu potencial, mas no Senhor que o chamara. Ao ser chamado pelo Senhor para ser o libertador dos hebreus, Moisés apresentou algumas desculpas — “eles não vão crer que o Senhor me enviou”; “não sou eloquente”. Quantas desculpas também não damos quando Deus nos chama para um trabalho específico?
5. Deus concede poderes a Moisés. A fim de encorajar Moisés e confirmar o seu chamado, o Senhor realiza alguns sinais (Êx 4.1-9).
6. O retorno de Moisés. O líder precisa saber o momento adequado para revelar seus projetos. Entretanto, Moisés não poderia partir sem o consentimento de sua família. Para realizar a obra de Deus o líder precisa ter o apoio e cooperação da sua família.
7. Moisés diante de Faraó. Além de recusar deixar o povo ir embora, Faraó agora aumenta o volume de trabalho do povo (Êx 5.8,9)
8. A queixa dos israelitas (Êx 5.20,21). O povo hebreu fica descontente com Moisés e Arão e logo começam a murmurar.
9. Deus promete livrar seu povo (Êx 6.1).

LIÇÃO 3 As pragas divinas e as propostas ardilosas de Faraó
1.  Pragas atingem o Egito (Êx 7.19 — 12.33) Com receio das pragas que já estavam atingindo duramente o Egito, Faraó decide fazer algumas propostas ardilosas para Moisés e Arão.
2. A primeira proposta (Êx 8.25). Ide e sacrificai ao vosso Deus nesta terra. sirva a Deus, mas também sirva o mundo, não abondone o pecado.A proposta de Faraó era para Israel servir a Deus sem qualquer separação do mal.
3. 1. A segunda proposta de Faraó (Êx 8.28). “Somente que indo, não vades longe”. . O propósito de Faraó ao ordenar “não vades longe” era vigiar e controlar os passos do povo de Israel. “Não vades longe” significa para o crente hoje o rompimento parcial com o pecado e com o mundo.equivale ao crente viver sem compromisso com Deus, com a doutrina do Senhor, com a igreja, com a santidade.
4. A terceira proposta de Faraó (Êx 10.7) deixai ir os homens. Faraó quer desestruturar as famílias
consequências: Famílias sem o governo dos pais; Maridos sem as esposas; Os jovens de Israel casariam com moças pagãs; as jovens deixadas no Egito se casariam com os incrédulos egípcios. com isto os homens teriam que voltar para o Egito.
5. A quarta e última proposta. “Ide, servi ao Senhor; somente fiquem as ovelhas e vossas vacas”  Com isso acabaria a adoração ao Senhor.

LIÇÃO 4 A celebração da primeira Páscoa
A Páscoa foi instituída pelo Senhor para que os israelitas celebrassem a noite em que Deus poupou da morte todos os primogênitos hebreus. Março/Abril "espigas verdes"
1. Para os egípcios. Para os egípcios a Páscoa significou o juízo divino final sobre o Egito.
2. Para Israel. Era a saída, a passagem para a liberdade, para uma vida vitoriosa e abundante.
3. Para nós. Para nós, cristãos, a Páscoa é a passagem da morte dos nossos pecados para a vida de santidade em Cristo.
OS ELEMENTOS DA PÁSCOA
 1. O pão. Deveria ser assado sem fermento, pois não havia tempo para que o pão pudesse crescer (Êx 12.8,11,34-36).O pão também simboliza vida.
2. As ervas amargas (Êx 12.8). Simbolizavam toda a amargura e aflição enfrentadas no cativeiro.
3. O cordeiro (Êx 12.3-7). O cordeiro da Páscoa judaica era uma representação do “Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo” (Jo 1.29)
III. CRISTO, NOSSA PÁSCOA
1. Jesus, o Pão da Vida (Jo 6.35,48,51).
2. O sangue de Cristo (1Co 5.7; Rm 5.8,9). No Egito o sangue do cordeiro salvou os hebreus, porém o sangue de Jesus salva tod a humanidade.
3. A Santa Ceia. é um memorial da morte redentora de Cristo por nós e um alerta quanto à sua vinda: “Em memória de mim” (1Co 11.24,25).

LIÇÃO 5  A travessia do Mar Vermelho
I. A TRAVESSIA DO MAR
1. A saída do Egito (Êx 12.11,37). O caminho escolhido foi o mais longo, pois Deus conhecia o coração dos israelitas e sabia que na primeira dificuldade logo desejariam retornar.
2.  A perseguição de Faraó (Êx 14.5-9).Diante da perseguição de Faraó os israelitas mais uma vez clamam ao Senhor (Êx 14.10).
3. A ruína de Faraó e seu exército (Êx 14.26-31). “Dize aos filhos de Israel que marchem” (Êx 14.15).
II. O CÂNTICO DE MOISÉS
1. Moisés celebra a Deus pela vitória (Êx 15.1-19). Diante de tão grande livramento, Moisés eleva um cântico ao Senhor em adoração.
2. Miriã juntamente com as mulheres louvam a Deus (Êx 15.20,21).
3. Celebrando a Deus. Todo Israel, em uma única voz, cantou e celebrou a grande vitória.
III. A PROTEÇÃO E O CUIDADO DE DEUS COM SEU POVO
1. Uma coluna de nuvem guiava o povo de Deus (Êx 13.21,22; 40.36,37). Esta coluna, segundo Charles F. Pfeifer, “era um sinal real da verdadeira presença de Jeová com o seu povo”.
2. Deus cuida do seu povo (Êx 16.4; Dt 29.5).

LIÇÃO 6 A peregrinação de Israel no deserto até o Sinai
I. ISRAEL PEREGRINA PELO DESERTO
1. Israel chega a Mara (Êx 15.23). Descontente, o povo começou a murmurar contra Moisés. Na verdade eles não estavam reclamando de Moisés, mas de Deus (Êx 16.7,8).Então ele orou e Deus lhe mostrou um lenho. Moisés jogou o lenho nas águas e elas se tornaram boas para o consumo.
2. Rumo ao Sinai (Êx 16.1). Depois de Mara os israelitas foram para Elim e em seguida para o deserto de Sim, que ficava entre Elim e Sinai (Êx 19.1,2). Esse é um lugar  repleto de areia e pedra. Deus sustentou seu povo através do deserto não somente com pão, mas também com carne e água.
II. ISRAEL NO MONTE SINAI
1. O monte Sinai (Êx 19.2). Ali os israelitas tiveram a revelação da glória e da santidade do Todo-Poderoso.A distância do Sinai a Canaã é de quase 500 quilômetros, e seria percorrida em um curto prazo pelos israelitas, mas infelizmente levou 38 anos. A demora decorreu como parte do julgamento divino dos pecados de incredulidade, murmuração,
2. A permanência no Sinai. No Sinai, Israel permaneceu, conforme as determinações do Senhor a Moisés, cerca de onze meses.
III. A IDOLATRIA DOS ISRAELITAS
1. O bezerro de ouro (Êx 32.2-6).O povo, liderado por Arão, pecou deliberadamente contra o Senhor construindo um bezerro de ouro para ser adorado. Diversas passagens bíblicas relacionam o ídolo aos demônios, e o culto idólatra ao culto diabólico (Lv 17.7).
2. Cuidado com a idolatria.Muitos pensam que idolatria é somente adorar a imagens de escultura. Todavia, um ídolo é tudo aquilo que ocupa o lugar de Deus na vida humana.
3. A idolatria no coração.Deus conhece o coração do homem e sabe da sua propensão à idolatria. Precisamos vigiar, pois somente Deus deve ser único dominador e rei em nosso coração.

Lição 7: Os Dez Mandamentos do Senhor
RESUMO DO DECÁLOGO O termo Decálogo literalmente significa “dez enunciados” ou “declarações”

1º Mandamento — Não terás outros deuses diante de mim. Deus se revela como o único e verdadeiro Deus (Dt 6.4).
2º Mandamento — Não farás imagens de escultura.Na vida do crente, um ídolo é tudo o que ocupa o primeiro lugar em sua vida, em seu coração, em seu tempo e em sua vontade.
3º Mandamento — Não tomarás o nome de Deus em vão.Tomar o nome do Todo-Poderoso em vão é mencioná-lo de modo banal, profano, secular e irreverente.
4º Mandamento — Lembra-te do sábado, para o santificar.É importante ressaltar que em o Novo Testamento não há um só versículo que ordene a guarda do sábado como dia fixo santificado para descanso e adoração ao Senhor. O sábado foi dado como um “sinal” do pacto do Sinai entre Deus e Israel.
5º Mandamento — Honra o teu pai e a tua mãe.Honrar é respeitar e obedecer, por amor, à autoridade dos pais, e com eles cooperar em tudo.
6º Mandamento — Não matarás.equivale a matar o ser humano de modo doloso, premeditado, planejado.
7º Mandamento — Não adulterarás. Este mandamento do Senhor está vinculado à sacralidade, pureza e respeito absoluto ao sexo, ao matrimônio e à família.
8º Mandamento — Não furtarás.Furtar é apoderar-se oculta ou disfarçadamente daquilo que pertence a outrem.
9º Mandamento — Não dirás falso testemunho. Falso testemunho é falar mal dos outros; acusar e culpar injustamente; difamar; caluniar; mentir (Tg 4.11).
10º Mandamento — Não cobiçarás.Este mandamento é o respeito ético a tudo o que pertence aos outros.

Lição 8: Moisés — Sua liderança e seus auxiliares
1. Despenseiro e não dono (Êx 18.13-27).Na Bíblia encontramos vários exemplos que servem para mostrar que o líder de Deus não pode pensar que é dono da obra ou do rebanho que dirige.
2. Falta de percepção do líder (Êx 18.14,17).. Às vezes o líder não percebe as necessidades dos seus liderados. Isso não significa que ele seja um mau líder, mas que, em alguns momentos, os que estão de fora têm uma percepção maior da nossa administração
3. O líder necessita de ajudantes (Êx 18.18). Caso Moisés continuasse a trabalhar sozinho, logo estaria enfrentando um severo esgotamento físico e mental. Ao mesmo tempo o povo também iria se cansar pela longa espera em pé (vv.13,14).
4. Deus levanta auxiliares (Êx 18.21). Para fazer a sua obra, Deus levanta líderes principais, como Moisés, e de igual modo levanta líderes auxiliares.
5.Os auxiliares de Moisés (Êx 18.25).  Arão, Mriã, Jetro, anciãos, juizes e levitas.
III. QUALIDADES DE MOISÉS COMO LÍDER
1. Mansidão e humildade (Nm 12.3).
2. Piedoso e obediente.
3. Fiel (Nm 12.7; Hb 3.2,5).

Lição 9: Um lugar de adoração a Deus no deserto
I. AS INSTRUÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DO TABERNÁCULO
1. O propósito divino.O objetivo divino era aumentar e fortalecer os laços de comunhão com o seu povo Israel.
2. As ofertas. Para a construção do Tabernáculo os israelitas ofertaram voluntariamente e com alegria.De nada adianta contribuir com relutância e amargura.
3. Tudo segundo a ordenança divina (Êx 25.8,9,40).Deus instrui a Moisés quanto à planta e os objetos do templo móvel.
II. O PÁTIO DO TABERNÁCULO
1. O pátio.O pátio tinha o formato retangular, e indicava que, na adoração a Deus, deve haver separação, santidade. Havia uma única porta de entrada, que apontava para um único caminho, uma única direção.
2. O altar dos holocaustos Ao entrar no pátio, o israelita tinha a sua frente o altar do holocausto. Era uma caixa de madeira de cetim coberta de bronze.
3. A pia de bronze (Êx 30.17-21).Na pia os sacerdotes lavavam suas mãos e pés antes de executarem seus deveres sacerdotais.
III. O LUGAR DA HABITAÇÃO DE DEUS
1. O castiçal de ouro (Êx 25.31-40).Não havia janelas no Lugar Santo e a iluminação vinha de um castiçal de ouro puro e batido. Esta peça também apontava para Jesus Cristo, luz do mundo,
2. Os pães da proposição e o altar do incenso (Êx 25.30).Havia uma mesa com doze pães e, todos os sábados, esses eram trocados. Estes pães apontavam para Jesus, o Pão da vida (Jo 6.35).
3. O Santo dos Santos e a arca da aliança (Êx 25.10-22). O Santo dos Santos era um local restrito, onde somente o sumo sacerdote poderia entrar uma única vez ao ano. A arca da aliança era a única peça deste compartimento sagrado. Era uma caixa de madeira forrada de ouro.

Lição 10: As Leis Civis entregues por Moisés aos Israelitas
I. MOISÉS, O MEDIADOR DAS LEIS DIVINAS
1. O mediador (Êx 20.19-22). Deus falou diretamente com o seu povo. Todavia, eles temeram e não quiseram ouvir a voz do Todo-Poderoso diretamente.Moisés foi o mediador entre o povo e Deus. Hoje, Jesus é o nosso mediador.
2. Leis concernentes à escravidão (Êx 21.1-7).Deus ordenou que o tempo em que a pessoa estaria na condição de escravo seria de seis anos (Êx 21.2). O Senhor sabia da existência da escravidão, porém, Ele nunca aprovou esta condição.
3. Ricos e pobres (Dt 15.4-11; Jo 12.8).
II. LEIS ACERCA DE CRIMES
1. Brigas, conflitos, lutas pessoais (Êx 21.18,19).Na Nova Aliança, aqueles que já experimentaram o novo nascimento, pelo Espírito Santo (Jo 3.3), não devem se envolver em brigas, disputas e contendas, pois a Palavra de Deus nos adverte: “E ao servo do Senhor não convém contender” (2Tm 2.24).
2. Crimes capitais.Deus, em sua misericórdia e bondade, estabeleceu as “cidades de refúgio”, para socorrer aqueles que cometessem homicídio involuntário, ou seja, morte acidental (Nm 35.9-11). As cidades de refúgio apontavam para Jesus Cristo, nosso abrigo e socorro.
3. Uma terra pura.As leis serviriam para ensinar, advertir e impedir que o povo Israel profanasse Canaã (Nm 35.33,34).
III. LEIS CONCERNENTES À PROPRIEDADE
1. O roubo (Êx 22.1-15). “tais leis visavam proteger a nação e organizá-la e voltar sua atenção para Deus”.
2. Profanação do solo e o fogo (Êx 21.33,34; 22.6). Naquelas terras e naqueles tempos era comum os habitantes perfurarem ou escavarem o solo em busca de água para o povo e os animais e as lavouras. Quem fizesse tal abertura no solo era também responsável pela sua proteção para a prevenção de acidentes.

Lição 11: Deus escolhe Arão e seus filhos para o Sacerdócio

I. O SACERDÓCIO (ÊX 28.1-5)
1. O sacerdote.O sacerdote deveria não somente pertencer à tribo de Levi, mas era preciso que fosse um descendente de Arão, que teve o privilégio de ser o primeiro sacerdote de Israel.
2. O ministério dos sacerdotes.Quais eram as funções de um sacerdote? Eram, especificamente, três as obrigações básicas do sacerdote: “santificar o povo, oferecer dons e sacrifícios pelo povo e interceder pelos transgressores”.
3. O sumo sacerdote.Viviam de modo simples e dependiam única e exclusivamente da obediência e fidelidade do povo ao trazer seus dízimos (Nm 18.3-32).
II. A INDUMENTÁRIA DO SACERDOTE
1. A túnica de linho e o éfode (Êx 28.4-28). O linho fino apontava para a pureza, perfeição e justiça de Cristo, nosso sacerdote.
2. O Urim e Tumim (Êx 28.30). Eram pedras que os sacerdotes utilizavam na hora de tomar decisões.
III. MINISTROS DE CRISTO PARA A IGREJA
1. Chamados por Deus. Os verdadeiros ministros da igreja são chamados e vocacionados pelo Senhor.
2. Qualificações. O sacerdote não podia se apresentar diante de Deus e da congregação de qualquer maneira.
3. Comprometidos com a Palavra. Os sacerdotes também tinham a função de ensinar a Palavra de Deus.

Lição 12: A consagração dos sacerdotes
I. A CONSAGRAÇÃO DE ARÃO E SEUS FILHOS
1. A lavagem com água. Muitos eram os rituais de preparação que os sacerdotes deveriam realizar antes de se achegarem à presença de Deus. Uma parte dos rituais era a lavagem com água, que simbolizava pureza e perfeição.
2. A unção com azeite (Êx 30.23-33). O azeite da unção deveria ser derramado sobre a cabeça de Arão e seus filhos. O azeite é símbolo do Espírito Santo que viria habitar no crente pelo ministério intercessor de Jesus (Jo 14.16,17,26)
3. Animais são imolados como sacrifício (Êx 29.10-18)Arão e seus filhos deveriam levar um cordeiro, sem mancha ou defeito, diante do altar. O cordeiro morto tipificava a morte vicária de Jesus Cristo, que “morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras” (1Co 15.3).
II. O SACRIFÍCIO DA POSSE
1. O segundo carneiro da consagração (Êx 29.19-35). Era necessário que outro animal inocente fosse morto.“parte do sangue era colocada primeiramente na orelha direita, no dedo polegar da mão direita e no dedo polegar do pé direito”.
2.Sacrifícios diários.  Diariamente eram oferecidos sacrifícios pelo pecado.
III. CRISTO, PERPÉTUO SUMO SACERDOTE
1. Sacerdócio segundo a ordem de Melquisedeque. A primeira referência a Melquisedeque como sacerdote encontra-se no livro de Gênesis 14.18. Melquisedeque é um tipo de Cristo.
2. O sacrifício perfeito de Cristo. Hoje não precisamos fazer esses tipos de sacrifícios, pois o sacrifício de Cristo foi único, perfeito e perpétuo (Hb 7.25-28).
3. O sacrifício eterno de Cristo. Jesus não pertencia à tribo de Levi, mas seu sacerdócio era segundo a ordem de Melquisedeque (Hb 5.6,10; 7.11,12), logo, seu sacerdócio era superior ao de Arão. O sacerdócio de Cristo é superior, eterno e imutável.

Lição 13: O Legado de Moisés
I. OS ÚLTIMOS DIAS DE MOISÉS
1. As palavras de despedida. O ministério de Moisés chegaria ao fim em breve. Consciente deste fato, ele se despede ensinando o seu povo a guardar as leis.
2. Moisés incentiva o povo a meditar na Palavra.
3. Moisés vê a Terra Prometida e morre. Antes de morrer, Moisés abençoou cada uma das tribos de Israel (Dt 33.1-29). Ele foi sepultado pelo Senhor em um vale na terra de Moabe, todavia, o local nunca foi revelado a ninguém (Dt 34.6). Certamente Deus quis evitar que o local, assim como o corpo de Moisés, fossem venerados pelos israelitas
4. Moisés nomeia seu sucessor (Dt 31.1-8). Moisés preparou Josué para que este fosse o seu sucessor. O Legislador de Israel tinha consciência de que seu ministério um dia findaria. É muito importante que o líder do povo de Deus tenha esta consciência e prepare os seus sucessores ainda em vida, assim como fez Moisés (Dt 34.7-9).
II. MOISÉS, PASTOR DE ISRAEL
1. Homem de Deus. No final de sua carreira, Moisés é chamado nas Escrituras de “homem de Deus” (Dt 33.1).
2. Homem de oração. Um exemplo disso está em Êxodo 33.13, quando ele diz: “rogo-te que [...] me faças saber o teu caminho”. No versículo 18, ele ora em continuação: “Rogo-te que me mostres a tua glória”. Essas duas orações não devem ser invertidas pelo crente, como alguns fazem por imaturidade ou fanatismo.
3. Homem de fé. Moisés agia por fé em Deus (Hb 11.24-29), daí, a quantidade de milagres realizados pelo Senhor através dele.
III. APRENDENDO COM MOISÉS
1. A cultivar comunhão com Deus. “Cultivar”, significa incentivar, preparar para o crescimento. como Moisés, esta comunhão, passando mais tempo com Deus em oração, leitura da Palavra e adoração. Moisés foi um homem que cultivou uma comunhão bastante íntima com Deus.
2. A ter comunhão com outros crentes. Através da vida de comunhão com os santos, você é incentivado a viver a vida cristã saudável e abundante.Sigamos de perto o seu exemplo e busquemos a comunhão com os nossos irmãos, pois estamos também todos caminhando rumo à Terra Prometida.
3. A aceitar o ministério de líderes piedosos. Os líderes são instrumentos de Deus para alimentar e nutrir seu povo. Efésios 4.11-13 enfatiza que o propósito dos ministérios de apóstolos, profetas, evangelistas, pastores e doutores na igreja é edificar o povo de Deus.
4. A ter cuidado com os inimigos. Ao entrarem na Terra Prometida, os israelitas tinham de destruir as nações ímpias que ali viviam.Essa experiência é um aviso para nós. Cuidado com o Inimigo e as suas propostas. Vigie para que você e sua família não sejam seduzidos pelas coisas deste mundo.