23 de abr de 2015

Relação do filho com o Pai celestial




"E qual o Pai que, se um filho lhe pedir pão, lhe dará pedra?"

"O filho, após ter entrado numa fria ao sair de casa, se arrependeu e levantou-se para ir ao encontro de seu Pai, e este não exitou em dar-lhe um abraço de boas-vindas"
"O Pai corrige a qualquer que tem por filho"
"A correção, a princípio parece dolorosa, ruim, mas tem o propósito de orientar o filho para aquilo que é bom"
"Assim como um pai se compadece do filho, assim mesmo é nosso Deus"
"No momento de angústia o filho grita: Pai, por que me desamparaste? e tem como resposta o silêncio do Pai."
O que quero dizer com tudo isso:
Muitas vezes, como filhos, vamos ter total atenção do Pai. Vamos ter nossas orações respondidas, livramentos nas aflições, consolo na tristeza, providência na ausência de algo, um abraço quando nos sentimos angustiados, uma palavra quando estamos desorientados.
Porém, há momentos em que o Pai fica em silêncio. 
O filho grita, chora, rola no chão: e o pai continua em silêncio.
O filho faz voto, canta, lê a Bíblia: e o Pai continua em silêncio.
O filho faz campanha no monte, não falta nenhum culto, ajuda o próximo: e o Pai continua em silêncio.
O filho parte para chantagem, pro desespero: e o Pai continua em silêncio.
O filho olha o passado e começa a falar das coisas que fez na intenção de comover:mas o Pai continua em silêncio.
O filho ameaça ir embora: o Pai continua em silêncio.
O silêncio do Pai dói, amassa o barro, molda a vida, ensina que devemos passar por algumas situações para nos tornar fortes.
O silêncio do Pai nunca é sem propósito. 
O silêncio do Pai não é para matar.
O silêncio do Pai não te deixa afogar.
O silêncio do Pai é profundo quando quer tratar com o filho.
O silêncio do Pai muitas vezes amarga nossa alma, mas cura.
O silêncio do Pai coloca o filho em seu verdadeiro lugar.
O silêncio do Pai leva o filho a refletir sobre a vida.
O silêncio do Pai leva o filho a se arrepender.
O silêncio do Pai objetiva alcançar confiança do filho.
O silêncio do Pai faz com que o filho peça que seja feita a vontade dele e não a sua.
Depois de tudo, descobrimos que é necessário para nosso amadurecimento passar pelo silêncio do Pai.