O vento e a erva - Isaías 40:7

Wilma Rejane


Seca-se a erva, caem as flores, soprando nelas o hálito do Senhor. Na verdade, o povo é erva. Seca-se a erva, e cai a sua flor, mas a palavra de nosso Deus permanece para sempre. Isaías 40: 7-8 e I Pedro 1:24,25.

A Vida é breve, como as frágeis flores que cobrem algumas planícies da Palestina. Desabrocham, exalam perfume, beleza, mas quando o vento sopra sobre elas, em questão de segundos se despedaçam e se vão para nunca mais voltar. Em contraste com essa finitude, está a Palavra de Deus, que permanece para sempre. Ela é como o ar, o vento que mantem viva todas as espécies de seres planetários, é o hálito que sopra nas ervas.
E esse hálito, pode ser entendido como: liberdade, juízo, julgamento. João 3:8 diz: "O vento sopra onde quer; ouves-lhe o ruído, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai. Assim acontece com aquele que nasceu do Espírito."
João compara o novo nascimento a ação do Espírito Santo, um vento soprando, nas ervas, nos homens.

Coisas vão e vêm,…

A morte de Jesus

 
Por três horas interruptas  o sol não quiz dar seu brilho, nem o seu calor, devido algo inédito estar acontecendo  , o filho de Deus tinha sido levantado e a planta de seus pés já não tocava mais no chão, ele fora erguido em uma cruz e lá fora pregado seus pés e suas mãos, o sangue já escorria-se em seu corpo, e muitas lágrimas eram derramadas das pessoas que o amavam e o admiravam, não era uma pessoa comum todos até mesmo as pessoas que ia se opondo a ele sabia muito bem desta verdade; verdadeiramente ele é o Filho de Deus. Sem ter ou saber exatamente o que fazer as suas ovelhas estavam dispersas, mas sua mãe que muito lhe amava não arredou dali seu pé, o discípulo amado também estava lá, e Pedro que momentos antes jurava lealdade, estava preste a negá-lo por três vezes antes do cantar do galo, exatamente como Jesus dissera pra ele. Tudo isto que vinha acontecendo era necessário, Jesus precisava passar por aquele cálice, mas não era uma obrigação não era uma regra, ele podia a qualquer momento descer daquela cruz e se livrar daquela condenação, mas Jesus preferiu morrer isto ele fez por amor, aquele sacrifício de amor era o pagamento de uma imensa dívida que nem ao menos era dele, era uma dívida minha e também sua, que precisava ser quitada, mas somente uma coisa de muito valor poderia pagá-la, sim foi paga pelo sangue de Jesus, nada poderia ter maior valor do que o sangue de Jesus.
   Mesmo em uma cruz, padecendo grande dor ele rogava: Pai perdoa o pecador! Alguns que ali estava manietava sua cabeça e diziam: Salvou os outros, salva a ti mesmo, se realmente é o Filho de Deus. Não sabendo eles que descer da cruz não provava nada, mas o que provava era exatamente morrer por um transgressor, sua morte é que provava se imenso amor, quem é que poderia dar tão grande prova de amor. Acredite ninguém o matou, apenas o crucificaram, Ele mesmo entregou sua vida, antes mesmo deste momento Jesus disse: Por isto o Pai me ama, porque dou a minha vida para tornar a tomá-la.
Ninguém ma tira de mim, mas eu de mim mesmo a dou; tenho poder para a dar, e poder para tornar a tomá-la. Este mandamento recebi de meu Pai.
João 10:17,18

     Mas pendurado lá na cruz do calvário 30 E, quando Jesus tomou o vinagre, disse: Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito.
Naquele momento o véu do templo se rasgou, santos que estavam mortos ressuscitaram, a terra tremeu, e exatamente naquele momento o pecado de toda humanidade estava sobre seus ombros, por isso foi Ele lançado no inferno, contudo a chave da morte e do inferno Ele tomou. O inferno não podia detê-lo, pois nenhuma transgressão se achava nele, nem mesmo a morte ou o inferno suportou a grandeza de sua glória e a grandeza de seu amor. Ao terceiro dia como diz as Escrituras Ele ressuscitou hoje podemos proclamar com alta voz e perfeito tom  Onde está, ó morte, o teu aguilhão? Onde está, ó inferno, a tua vitória? 1 Coríntios 15:55