Aliança



   Nas Escrituras, um contrato, um pacto, que solenemente se realiza entre duas ou mais pessoas. Há muitos exemplos de pessoas que fizeram aliança no Antigo Testamento.
Abraão e Abimeleque Gênesis 21:25-27 Abraão, porém, repreendeu a Abimeleque por causa de um poço de água, que os servos de Abimeleque haviam tomado à força.
Então disse Abimeleque: Eu não sei quem fez isto; e também tu não mo fizeste saber, nem eu o ouvi senão hoje.E tomou Abraão ovelhas e vacas, e deu-as a Abimeleque; e fizeram ambos uma aliança.
   Labão e JacóGênesis 31:42-46 Se o Deus de meu pai, o Deus de Abraão e o temor de Isaque não fora comigo, por certo me despedirias agora vazio. Deus atendeu à minha aflição, e ao trabalho das minhas mãos, e repreendeu-te ontem à noite.
Então respondeu Labão, e disse a Jacó: Estas filhas são minhas filhas, e estes filhos são meus filhos, e este rebanho é o meu rebanho, e tudo o que vês, é meu; e que farei hoje a estas minhas filhas, ou a seus filhos, que deram à luz?
Agora pois vem, e façamos aliança eu e tu, que seja por testemunho entre mim e ti.
Então tomou Jacó uma pedra, e erigiu-a por coluna.
E disse Jacó a seus irmãos: Ajuntai pedras. E tomaram pedras, e fizeram um montão, e comeram ali sobre aquele montão.
   Israel e Gibeão Josué 9:14-20Então os homens de Israel tomaram da provisão deles e não pediram conselho ao Senhor.
E Josué fez paz com eles, e fez um acordo com eles, que lhes daria a vida; e os príncipes da congregação lhes prestaram juramento.
E sucedeu que, ao fim de três dias, depois de fazerem acordo com eles, ouviram que eram seus vizinhos, e que moravam no meio deles.
Porque, partindo os filhos de Israel, chegaram às cidades deles ao terceiro dia; e suas cidades eram Gibeom e Cefira, e Beerote, e Quiriate-Jearim.
E os filhos de Israel não os feriram; porquanto os príncipes da congregação lhes juraram pelo Senhor Deus de Israel; por isso toda a congregação murmurava contra os príncipes.
Então todos os príncipes disseram a toda a congregação: Nós juramos-lhes pelo Senhor Deus de Israel, pelo que não lhes podemos tocar.
Isto, porém, lhes faremos: conservar-lhes-emos a vida, para que não haja grande ira sobre nós, por causa do juramento que já lhes fizemos.
   Acabe e Bem-Hadade 1 Reis 20:33,34 E aqueles homens tomaram isto por bom presságio, e apressaram-se em apanhar a sua palavra, e disseram: Teu irmão Ben-Hadade vive. E ele disse: Vinde, trazei-mo. Então Ben-Hadade foi a ele, e ele o fez subir ao carro.
E disse ele: As cidades que meu pai tomou de teu pai tas restituirei, e faze para ti ruas em Damasco, como meu pai as fez em Samaria. E eu, respondeu Acabe, te deixarei ir com esta aliança. E fez com ele aliança e o deixou ir.
  
   Estas alianças na maioria de seus casos são acompanhadas de alguns sacríficios tais como:

Holocausto é um termo que deriva do vocábulo hebraico ‘olah, que significa subir; o sacrifício que é queimado sobre o altar, cuja fumaça sobe a Deus. Esse sacrifício se caracteriza pela combustão total da vítima, onde nada fica nem ao oferente nem ao sacerdote. Conforme diz Lv 1, a vítima deve ser um macho, sem defeito, seja boi, ovelha ou também um passarinho. O oferente sacrifica o animal e o sacerdote consparge o altar com o seu sangue, que, na concepção hebraica, contém a vida: “a vida de toda carne é o seu sangue” (Lv 17,14). Segundo Lv 5,7, o sacrifício de passarinhos é o equivalente, para os pobres, dos sacrifícios de gado.

Os sacrifícios de comunhão são descritos em Lv 3: a vítima, que são as mesmas do holocausto (exceto os passarinhos), é dividida em 3 partes: para Deus, para o sacerdote e para o oferente. A Deus cabe as partes com banha, os rins, fígado e a cola, que é queimada. O sacerdote fica com o peito e a cocha direita. O resto é da pessoa que oferece a vítima. Às vezes esses sacrifícios são chamados nas traduções de sacrifícios pacíficos ou de salvação.

Os sacrifícios expiatórios têm como intenção restabelecer a aliança com Deus, rompida através do pecado. Se a pessoa protagonista do sacrifício é uma autorità, o sacrifício é de um animal grande, como um toro. Normalmente se oferece uma ovelha ou cabra. Também podem ser oferecidas rolas ou pombas. O característico desse sacrifício é o uso do sangue, que no ritual serve para aspergir o altar.

As ofertas vegetais são chamadas minhah, que significa ‘dom’. Levítico 2 fala de diversos tipos: óleo, farinha. Um pouco da oferta é queimada e o resto pertence aos sacerdotes.
Os pães de oblação são mencionados em Lv 24,5-9. São 12 pães, que relembram as 12 tribos de Israel. Eram trocados a cada sábado e eram comidos pelos sacerdotes.

O incenso na verdade é uma mistura de diferentes odores. Eram tomadas as brasas do holocausto para queimar as essências, que eram oferecidas diante do Santo dos Santos duas vezes por dia, de manhã e de tardezinha.
  As alianças realizadas no Antigo Testamento era algo muito sério, pois uma vez que não fossem cumpridas, o mesmo que aconteciam com animais sacrificados, estavam sujeito de acontecer para aqueles que não obedeciam as alianças. A vítima do sacrifício era morta e dividida em duas partes, trazendo nesta ocasião maldição para aqueles que não era fiel com tal aliança.

  Dentre muitos tipos de aliança, há uma aliança registrada em 2 Crônicas 13.5 Porventura não vos convém saber que o Senhor Deus de Israel deu para sempre a Davi a soberania sobre Israel, a ele e a seus filhos, por uma aliança de sal? Trata-se duma cerimônia onde uma pessoa oferecia sal para outra comer e depois disto estava fechada uma aliança eterna entre ambas. Deus se utiliza disto que era comum no oriente, para dizer a aliança que fez com Davi era eterna. É claro que tal profecia se refere a Jesus, descendente de Davi. Quando a Bíblia fala de "uma aliança de sal" (Nm 18:19; II Cr 13:5), a Palavra de Deus está indicando a lealdade divina ao Seu povo. Deus está comprometido com a preservação da promessa feita ao Seu povo, com a satisfação da sua sede espiritual e com o estabelecimento de relações permanentes. O rei Abias, corajosamente, dá testemunho destas verdades no momento em que confrontou o exército rebelde do Reino do Norte e o fez lembrar que ele era o rei, de Judá ,por direito, conforme a aliança de sal feita com Deus (II Cr 13:1-6). Apesar da superioridade militar de Israel, Abias confiou que o Senhor lhe daria a vitória, baseado na lealdade de Deus.

   Deus fez diversas alianças com homens. Estas alianças que Deus estabeleceu com alguns homens são algumas promessas, e geralmente vem condicionada por obediências a estas condições. Ao fazer uma aliança com o homem, Deus exige fidelidade e quando o homem se mostra infiel ele perde o pacto da aliança comprometendo a realização da promessa, portanto tenha a consciência que fazer uma aliança, é algo extremamente sério e deve ser levado a sério, principalmente quando esta aliança está registrada na presença de Deus. Seja então fiel e cumpra com as obrigações de vossas alianças.