887' type='text/javascript'/

31 de mai de 2017

Deixado para trás

Aconteceu. Mesmo. Fatos reais em igrejas reais.
Por David Moreno



Aconteceu em Queimados – Rio de Janeiro – Brasil
Um ônibus fretado partiu de Vitória, em direção a São Paulo, onde haveria uma reunião com obreiros.   Quando retornavam, próximo à cidade de Queimados, na Rodovia Dutra, havia um trânsito intenso.
Era  aproximadamente 3 horas da madrugada. Um caminhão de bebidas (cerveja) havia tombado.   A carga despencou no chão. A maioria das garrafas se  quebrou, mas sobraram algumas intactas.   Além da remoção do caminhão, os bombeiros teriam que limpar o asfalto rapidamente, para liberar o tráfego.    Todavia,  apesar de estarem em serviço, dava-se a impressão que após o expediente haveria cerveja grátis.
Nesta confusão inesperada, um obreiro  que contribuía para o jornal da igreja desceu do ônibus fretado, desejou ver de perto o acontecimento.  Seu instinto de repórter fora despertado.
Caminhou  até o local onde acontecera o acidente.   Deduziu que  demoraria mais de uma hora para liberarem o transito.   Depois de 15 minutos olhando a movimentação, decidiu voltar  ao ônibus para transmitir as notícias.  Olhando com atenção,  não localizou o ônibus.   Novamente refez  o trajeto até  o local do acidente e retornou com  mais   atenção. Talvez não o visse  porque estava sonolento.
De repente viu  um guarda rodoviário, sinalizando para que carros, ônibus e  caminhões passassem por um atalho, desviando do trânsito. Então concluiu que seu ônibus partira  usando o atalho e não perceberam sua falta.  A alternativa foi relatar  o acontecido ao policial rodoviário, o qual  parou um ônibus da linha  Rio-São Paulo  para que desse uma carona  para o "perdido"   até a rodoviária do Rio.
O dinheiro que ele tinha era insuficiente para cobrir o custo da passagem, nem tinha cartão de crédito. Como havia uma filial da mesma denominação, naquela cidade,  dirigiu-se até lá,  mas teve que esperar mais 5 horas até que chegasse alguém para atendê-lo.  Felizmente o socorreram,  com  dinheiro suficiente para ir até a rodoviária e comprar  a passagem,  para Vitória.
O ônibus fretado chegou ao destino  por volta do meio dia e a notícia do obreiro desaparecido era o comentário geral.  O obreiro  desaparecido chegou em casa somente às 10 da noite, exausto.  Aprendeu a lição! A curiosidade tem preço.
FONTE: ARTIGOS.COM