E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo



Mateus  14.  26  –  31
E os discípulos, vendo-o andando sobre o mar, assustaram-se, dizendo: É um fantasma. E gritaram com medo. Jesus, porém, lhes falou logo, dizendo: Tende bom ânimo, sou eu, não temais. E respondeu-lhe Pedro, e disse: Senhor, se és tu, manda-me ir ter contigo por cima das águas. E ele disse: Vem. E Pedro, descendo do barco, andou sobre as águas para ir ter com Jesus. Mas, sentindo o vento forte, teve medo; e, começando a ir para o fundo, clamou, dizendo: Senhor, salva-me! E logo Jesus, estendendo a mão, segurou-o, e disse-lhe: Homem de pouca fé, por que duvidaste?
Diz a Palavra de Deus que Jesus determinou que os discípulos  tomassem um barco e o conduzisse para o lado oeste do lago. Enquanto isso Ele despediu a multidão e foi-se para o monte com a finalidade de orar. Ao entrar a noite o barco já se encontrava longe da praia e o mar batia forte porque o vento tinha aumentado muito, fazendo com que as ondas batessem com muita força contra a embarcação.

Já de madrugada, Jesus resolveu ir até lá andando sobre as águas, então os discípulos ficaram amedrontados vendo aquela cena e começaram a especular se tratar de um fantasma e, por conta disso, ficaram apavorados de medo. Jesus, então, se dirigiu a eles dizendo para que não tivessem receio, pois era Ele quem estava ali. Pedro resolveu se manifestar e disse que se era o Senhor mesmo, que Ele desse a ordem para que ele, Pedro, fosse andando sobre as águas até Ele e Jesus disse para ele ir.
Pedro obedeceu, saiu do barco e foi andando sobre as águas em direção ao Mestre, entretanto, quando sentiu sobre si a força do vento teve medo e começou a ir para o fundo. Nesse momento ele gritou por socorro, foi quando Jesus lhe estendeu a mão para segurá-lo  não permitindo que ele afundasse, porém lhe disse como era pequena  a sua fé e lamentou Pedro ter duvidado.
Esse episódio no mostra o que acontece com todos nós na relação que temos com Jesus. Pedro, em um primeiro momento deu uma demonstração de enorme fé, quando resolveu se prontificar a andar sobre as águas ao encontro do Senhor e conseguiu dar alguns passos, enquanto estava voltado totalmente para o Mestre, porém a partir do momento que desviou a sua atenção para o vento que soprava contra si começou a afundar, foi dominado pelo medo e perdeu a grande oportunidade de ter viver o poder de Deus sobre a sua vida.
Nesse instante, gostaríamos de pedir a você que está lendo esse texto, que fizesse um esforço e imaginasse que o caminho entre o barco e Jesus, aquele que Pedro andou alguns passos, fosse a distância que ligasse o ponto maior do seu problema até a sua solução, ou seja, esse caminho sobre as águas fossem as veredas pelas quais você deveria passar para chegar à vitória.
Você deve estar se perguntando onde estamos querendo chegar. Estamos querendo mostrar que se Pedro não tivesse tirado o foco do Jesus, se tivesse continuado  a caminhar olhando somente para Ele, se não tivesse se preocupado com a velocidade do vento, teria conseguido e alcançado o seu objetivo. E é isso acontece conosco. Deixamos muitas vitórias que Deus quer nos dar escapar porque não conseguimos percorrer a distância entre o “barco e Jesus”, ou seja,  afundamos antes, pois sabemos quem é o Senhor, conhecemos o Seu poder, sabemos o que Ele pode fazer, conhecemos o Seu caráter, mas  durante as nossas tempestades particulares,  tiramos o foco Dele e nos voltamos para as circunstâncias e então, perdemos a bênção, afundamos como Pedro.
É claro que não é fácil, é uma luta constante, já que sabemos qual é o caminho e não conseguimos percorrê-lo, por conta dos nossos medos e da nossa falta de fé, porém a notícia boa é que, apesar de vacilarmos, assim como fez com Pedro, Jesus está sempre ao nosso lado para nos estender a mão, sendo assim, o que devemos fazer é o que Pedro fez, procurar  único que realmente pode nos ajudar,  Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador.

Por:Marcio Motta