Percepção vem antes de discrição

A Bíblia diz: “Conhecer sabedoria e instrução; perceber as palavras de entendimento; receber a instrução de sabedoria, justiça, julgamento e equidade; para dar sutileza ao simples, ao jovem conhecimento e discrição ”Pr.1: 2-4.

Perceber é “ter conhecimento ou receber impressões de objetos externos através do meio ou instrumentalidade dos sentidos ou órgãos do corpo”.

Nossa capacidade de perceber é o nosso poder de percepção pelo qual somos ensinados e podemos aprender porque temos os sentidos e órgãos pelos quais podemos perceber o assunto que estamos sendo ensinados. “Nossa consciência nos diz. . . no ato de perceber há tanto um sujeito percebedor-eu, a mente-e uma realidade externa, em relação com o sentido, como o objeto percebido. ”

É através do nosso poder de percepção que somos educados. Os professores asseguram que percebemos as coisas sob a luz apropriada com a devida reviravolta filosófica dos fatos.

A luz apropriada em que todas as coisas devem ser percebidas é que Deus está no céu e conhece as obras do homem e um dia julgará o homem Ec 12: 13, 14.

Perceber é receber conhecimento em nossa mente de objetos externos através de nossos órgãos dos sentidos (Jo 1: 1).

Como a percepção é considerada o meio ou o recebimento de idéias e discrição, o fim ou a expressão pública de uma idéia, então nossa percepção ou educação é uma revelação do fim que temos em mente. Nós selecionamos as coisas que queremos perceber porque somos atraídos por elas.

Os objetos externos que Salomão está usando são "palavras de entendimento". Quão forçadas são palavras certas! Jó 6:25. Palavras que quando percebidas e recebidas na mente instruirão alguém nos caminhos da sabedoria, justiça, julgamento e equidade.

Isso, por sua vez, vai dar ou equipar aquele que os recebe sutilmente, conhecimento astuto e discrição vs.4.

Discrição é “prudência, ou conhecimento e prudência; aquele discernimento que permite a uma pessoa julgar criticamente o que é correto e apropriado, unido com cautela; bom discernimento e julgamento, dirigido pela circunspeção e principalmente com relação à própria conduta ”.

A boa e boa discrição é devida unicamente à capacidade de ensino e ao poder de percepção e à boa e adequada instrução.

A discrição está fazendo escolhas sábias porque a pessoa tem a sabedoria de julgar crítica e prudentemente. A discrição está devolvendo ao mundo externo em forma viva aquela sabedoria que é interna e que se tornou interna porque nós percebemos aqueles objetos externos conhecidos como palavras que nos instruíram no caminho da sabedoria.

Este princípio é elaborado em Provérbios 2, onde Salomão instrui seu filho a receber suas palavras e a inclinar-se e a buscar sabedoria e entendimento vs.1-9. Então, quando ele tiver sabedoria em seu coração e o conhecimento for agradável à sua alma, seu poder de discrição o preservará e impedirá que ele seja aprisionado pelos pecadores e caia no pecado vs. 10-22.

Este princípio também é visto nas Filipinas 2:12, onde Paulo diz “. . . exercite externamente a sua própria santificação de salvação, mostrando discrição com medo e tremor. Porque é Deus quem opera em você tanto a vontade como a fazer da sua boa vontade ”.